QUEBREM O SIGILO DAS GRÁFICAS FANTASMAS

Com a revelação sobre os repasses para a empresa do assessor de Edinho Silva, está claro o modus operandi da campanha de Dilma Rousseff.

Assim como a inexistente DCO Informática, as gráficas fantasmas, empresas de eventos e de guerrilha virtual serviram para circular os milhões pagos como propina pelas empreiteiras. Elas, provavelmente, subcontrataram outras empresas ligadas ao PT para fazer os saques.

É preciso que a Justiça Federal quebre, urgentemente, os sigilos fiscal e bancário dessas empresas.