Queima de arquivo

O Globo informa que um colaborador do vereador Marcello Siciliano (PHS), ouvido no inquérito que apura as mortes da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, foi assassinado ontem à noite.

O nome do colaborador de Marcello Siciliano é Alexandre Pereira Maria.

“Uma das linhas de investigação”, diz a reportagem, “é sobre o envolvimento de Alexandre com uma milícia”.

 

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

  1. A mim parece mais legitimação de cronograma e organograma prévios! Não só no RJ, mas em Minas, Sampa e em vários outros estados, matar suspeitos previamente estabelecidos para se criar provas para produzir determinado resultado – neste caso inclusive anunciado com antecedência – é o meio mais usado de ingerir em inquérito policial. As autoridades não dizem NADA – salvo o que interessa ao resultado PRÉVIO estabelecido do inquérito – para não atrapalhar as investigações, só apresentam os corpos dos suspeitos do anunciado cronograma e organograma. OK! A CIVIL E A PF NÃO PODEM INVESTIGAR TOGADOS, MAS PRECISAM SE PASSAR POR IMPROBAS, NEGLIGENTES E IMPRUDENTES PARA CONSUMAREM A AGENDA DA TOGA? Pior, só os fundamentos das sentenças forjadas e vendidas!

Ler mais 28 comentários
  1. A mim parece mais legitimação de cronograma e organograma prévios! Não só no RJ, mas em Minas, Sampa e em vários outros estados, matar suspeitos previamente estabelecidos para se criar provas para produzir determinado resultado – neste caso inclusive anunciado com antecedência – é o meio mais usado de ingerir em inquérito policial. As autoridades não dizem NADA – salvo o que interessa ao resultado PRÉVIO estabelecido do inquérito – para não atrapalhar as investigações, só apresentam os corpos dos suspeitos do anunciado cronograma e organograma. OK! A CIVIL E A PF NÃO PODEM INVESTIGAR TOGADOS, MAS PRECISAM SE PASSAR POR IMPROBAS, NEGLIGENTES E IMPRUDENTES PARA CONSUMAREM A AGENDA DA TOGA? Pior, só os fundamentos das sentenças forjadas e vendidas!

  2. Apesar de o assunto já está mais que chato, a investigação caminha no sentido de conflito entre milícias e traficantes, que nada tem a ver com raça, ideologia, sexualidade, nada, nada.

  3. Nunca fez nada pelo Rio disse: 9 de Abril de 2018 às 10:21
    Se fala em relação a compra de votos, a benfeitorias em bairros e condomínios de amigos, concordo, nunca fez nada. Muitos com toda certeza já. Quanto mais tentam, mas forte fica. Bolsonaro 2018.

  4. Não entro e não discuto a questão. Apenas digo: Mataram mais um -Ninguém morre de graça
    Um colaborador do vereador Marcello Siciliano (PHS), ouvido no inquérito que apura as mortes da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes

    1. Seu mundo é um conto de fadas. Milícia e traficantes eliminam qualquer um que passe na frente dos interesses deles.

  5. No Rio, quem não é miliciano está envolvido com as milícias e, ponto!
    Vamos parar de por dinheiro bom em Estado ruim, o Brasil não aguenta mais sustentar essa incompetência.