Quem acredita na Odebrecht?

No despacho em que libertou executivos do setor de propina da Odebrecht, Sérgio Moro falou da “louvável mudança de postura” da empreiteira. O Antagonista espera que Moro não se deixe enganar.

A Odebrecht não merece confiança, como demonstra matéria publicada na Folha em 1994. O grupo falava em arrependimento e nova postura na relação com os políticos há mais de duas décadas.

Tirem suas próprias conclusões:

“Desgastada pelas denúncias de corrupção, a Odebrecht intensifica a campanha para tentar reabilitar sua imagem junto ao público. O convite a um grupo de jornalistas para visitar recentemente as obras da empreiteira em Miami faz parte dessa estratégia.

O programa de relações públicas da Odebrecht deve ganhar impulso em março, quando será inaugurada em Campos, no Rio, a maior plataforma de exploração de petróleo do mundo, que a Odebrecht construiu. Depois do evento, a empresa vai trazer para o Brasil jornalistas da grande imprensa internacional. Além disso, as comemorações dos 75 anos da fundação do grupo deverão incluir intensa campanha institucional.

A Odebrecht tem orçamento anual de US$ 1 milhão para esse tipo de programação. A verba é administrada por uma diretoria de comunicação social –criada em 92, quando as acusações começaram a se avolumar– e não inclui gastos com a propaganda veiculada para negar denúncias que vêm à tona.

A Folha apurou que a diretoria da Odebrecht fez uma reunião em dezembro para decidir qual iniciativa tomar em função das denúncias. Os diretores concordaram que, a partir de agora, não mais aceitarão abordagens de parlamentares que possam colocar a empresa na posição de refém de uma situação.

Chegou a ser cogitada a hipótese de se assumir publicamente a opção, o que daria maior credibilidade à tentativa da empreiteira de se adptar aos novos tempos, marcados pela maior transparência do processo de licitação pública. A Odebrecht, no entanto, preferiu não ir tão longe para não permitir a interpretação óbvia, de que tal colocação implicaria admissão de culpa.

Faça o primeiro comentário