R$ 11 milhões em propina para Picciani

O MP-RJ denunciou mais uma vez o presidente afastado da Alerj, Jorge Picciani, e seu antecessor Paulo Melo, ambos do MDB fluminense, informa o G1.

Eles são acusados de receber propina da Odebrecht em troca de contratos de obras e benefícios fiscais.

Segundo a ação de improbidade do MP, de agosto de 2008 a setembro de 2014, Picciani teria recebido da Odebrecht mais de R$ 11 milhões em propina para atuar a favor dos interesses da empreiteira na Alerj. Melo, por sua vez, é acusado de receber R$ 1,4 milhão.

Os promotores citam mudanças em projetos de lei, dentro da Assembleia, para que se adequassem aos moldes pretendidos pela construtora.

QUAL É O PAPEL DOS MILITARES NO NOVO GOVERNO? VOCÊ PRECISA ESTAR POR DENTRO DO QUE ESTÁ ACONTECENDO NO PAÍS LEIA AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Por que ninguém investiga a compra de barcas e trens na China por Sergio Cabral, para uso pelas concessionárias, deve ter recebido grana dessas e dos Chineses??? Ninguém vai atrás disso???

Ler mais 5 comentários
  1. Por que ninguém investiga a compra de barcas e trens na China por Sergio Cabral, para uso pelas concessionárias, deve ter recebido grana dessas e dos Chineses??? Ninguém vai atrás disso???

  2. Isso, sim é grave. 11 milhões de propina. Se Flavio Bolsonaro tivesse esta acusação, eu seria o primeiro da fila contra ele. Tem que se ver a diferença entre propinoduto e eventual rachid.