R$ 173 bi em subsídios que não deram retorno

Um estudo do Ipea, publicado pela Folha, avaliou 20 programas de subsídios do governo federal.

Em quatro desses programas, o país gastou, desde o governo Lula, R$ 173 bilhões sem alcançar os objetivos prometidos.

Entre os projetos que não deram retorno estão: Desoneração da folha de pagamento, PSI (Programa de Sustentação do Investimento), Profrota Pesqueira e Prouca (Programa um Computador por Aluno).

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 30 comentários
  1. Se o objetivo é limitar os gastos do governo, há um exemplo prático a ser copiado: a Suíça.Consequências – Esse teto de gastos da Suíça ajudou o país a evitar a avassaladora crise fiscal que vem afetando quase todos os países europeus. https://mises.org.br/Article.aspx?id=2474

  2. A explosiva situação fiscal do governo brasileiro. A venda (ou mesmo a abolição) destas 18 estatais que queimam 86% do orçamento com funcionários muito bem pagos e que dependem de transferências do Tesouro também é imperativa. https://mises.org.br/Article.aspx?id=2828

    1. kkkkk esta piada é boa, mas velha, os únicos trabalhadores que perderiam com a Reforma são os que ganham de 3 mil para cima, e principalmente os funcionários públicos, pois os pobre coitados que ganhar salário mínimo só se aposenta por idade.

  3. Esta piorando a situação da economia e da segurança publica do Brasil cada vez mais, mas a situação ainda vai piorar muito mais ate ficar completamente fora de controle.
    Tudo que esta ruim para o Brasil vai ficar cada vez pior.

  4. O Average Joe brazuca se acha esclarecido porque bota tudo na conta da corrupção.
    O debate é bem mais complexo. O mesmo que se acha esclarecido por detestar futebol; que acha que riqueza de um país é ter minérios (e não produtividade) e que se não fossem os políticos, teríamos welfare sueco.

  5. ora, ora,
    e eram para dar retorno ?! ?! ?!
    conversa Fiada [não Afiada, que é marmota!] !!!
    porque “incentivo” iria dar retorno ?
    .
    sem dúvida, É preciso acabar com essa de subsídios e desonerações,
    que vão só e apenas até os bolsos dos ”’donos do poder”’ e das multinacionais.
    aos pequenos, NECAS.

  6. sem contar esses gastos com alunos de baixa renda q vao pra europa “estudar” e ficam anos e anos gastando verbas do governo e voltam mais burros ainda,e acabam trabalhando em algum supermercado ou servicos gerais…

  7. Deu resultado sim, a quantia di menor bandidinho solto as milhões neste país, no tempo do meus pais e até mesmo meu, com 14 anos já ia pro batente, e ainda estudava, foi o programa que mais retorno deu ao país.

  8. TODAS AS REGALIAS CONCEDIDAS AOS BANCOS,
    MONTADORAS E IGREJAS, E CHEGAREMOS
    FACILMENTE NA CASA DE TRILHÕES.
    AS “ELITES” BANANEIRAS NÃO VALEM UM PEDAÇO
    DE PAPEL HIGIÊNICO USADO, E DOS DOIS LADOS!!!

  9. O jornalista do antagonista tem perfil socialista
    N’AO SE Cobra IMPOSTO do salário hj [e 110% do que paga, no Paraguai [e 60%
    vc pode cobrar na ponta de venda
    .
    o juros no Brasil [e altíssimo 10% PARA imóveis na europa 2 a 4%
    o problema esta no imposto que impede o pobre de comprar

  10. O Brasil da corja política ė torneira aberta. QUE OS RESPONSÁVEIS PELA LADROEIRA DOS PROJETOS DEVOLVAM DINHEIRO À NAÇÃO! Abaixo os políticos e seus aspones!!!!

  11. Parece que o bjetivo nao era dar retorno, mais sim garantir subsidios para as castas as custas do umposto do cidadao. Ser cidadao é a unica casta que nao tem direito a uma cota, bolsa ou subsidio. Somos um pais de castas e essas castas precisam ser sujeitas a um processo judicial.

    1. Óbvio que se deu bem, muito bem… daí o nome POSITIVO. Do contrário seria NEGATIVO. Eta paíszinho…

  12. É óbvio que os interesses do país nunca estão em mente. Foram programas criados para que os amigos mamassem. Mamaram bem e não deram nada em troca. É preciso acabar com todos os incentivos, à agricultura e a tudo mais. Eles que se modernizem e que usem os bancos comuns para financiamento.