Reeleição de Alcolumbre: ex-presidente do STF citado por Aras diz que procurador-geral está equivocado

Reeleição de Alcolumbre: ex-presidente do STF citado por Aras diz que procurador-geral está equivocado
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Carlos Velloso, ex-presidente do STF, rebateu parecer de Augusto Aras sobre a possibilidade de Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia tentarem a reeleição no Congresso.

Em parecer enviado ontem ao Supremo, como registramos, o procurador-geral da República disse que tal decisão deve ser do próprio Parlamento, e não do tribunal — a Constituição é clara ao vedar a possibilidade de recondução a cargos da Mesa Diretora na mesma legislatura.

Aras citou um voto de Velloso em 1997. O procurador-geral interpretou que o então ministro do STF decidiu que a proibição de reeleição não seria um princípio constitucional, mas “simples regra aplicável à composição das Mesas do Congresso Nacional” e que “uma determinada norma constitucional poderia não ser observada pela Câmara e pelo Senado”.

Velloso disse a O Antagonista que a interpretação de Aras do seu voto está completamente equivocada.

O que o STF decidiu naquele ano foi que a norma constitucional em questão não é de reprodução obrigatória nas assembleias legislativas.

“Isso, entretanto, não quer dizer que a Câmara dos Deputados e o Senado poderiam disciplinar, nos seus regimentos, a reeleição, sem que, antes, a norma constitucional haja sido revogada.”

Velloso reforçou:

“A norma do §4º, do art. 57, da CF, é uma norma constitucional. É dizer, a norma regimental, que cuidaria do tema, foi constitucionalizada. Ela não é de reprodução obrigatória nas Constituições Estaduais, porém é de cumprimento obrigatório pelas Câmaras federais, evidentemente.”

O ex-presidente do STF acrescentou que quem usar seu voto naquele caso para validar a recondução para o mesmo cargo na eleição imediatamente subsequente no Congresso estará, portanto, “interpretando equivocadamente a citada norma constitucional”.

Leia mais: Major Olímpio sobre Bolsonaro: 'Tivemos um rompimento de ordem pessoal justamente por ele me pressionar para tirar assinatura da CPI da Lava Toga, para retirar pedidos de impeachment contra ministros do STF, para defender o filho'
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 69 comentários
TOPO