Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

A reforma não pode ser desidratada

Alexandre Schwartsman, em entrevista ao Estadão, disse que não há margem para desidratar a reforma previdenciária:

“Eu não vejo margem para que possa ser desidratada. Tem um número mágico divulgado no mercado, de que a reforma deve ter uma taxa de desidratação de 40% e resultar em um ganho fiscal de 700 bilhões de reais em dez anos. Não sei de onde vem esse número, mas me parece uma baboseira. Na melhor das hipóteses, essa reforma, como está hoje, mantém o gasto previdenciário em linha com o crescimento do PIB. Se sair menor, o gasto com a Previdência vai crescer tanto que, basicamente, vai expulsar outras questões do orçamento.”

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....