Relator do pacote anticrime no Senado mantém plea bargain

Marcos do Val (Podemos-ES), relator do pacote anticrime no Senado, manteve em seu parecer a criação do plea bargain, um acordo feito após a apresentação de denúncia que envolve a confissão dos crimes pelo acusado em troca de uma pena menor.

Pelo texto –divulgado em primeira mão por O Antagonista–, o acusado de algum crime pode confessar a culpa e reduzir a pena até a metade. Três requisitos serão analisados: a voluntariedade do acusado, a legalidade e proporcionalidade da pena e se as provas são suficientes para condenação criminal.

Quanto ao rol de crimes em que a plea bargain é possível, o relator sugeriu uma emenda para retirar casos em que haja “violência ou grave ameaça”.

“De fato, considerando tratar-se de sistemática muito diversa da adotada pelo ordenamento processual penal vigente, cremos ser razoável –por ora– que crimes como aqueles cometidos contra a vida, contra a dignidade sexual, praticados com violência doméstica, a maior parte dos crimes hediondos, estejam fora desse rol. Assim, sugerimos emenda para que o novel dispositivo exclua casos em que haja ‘violência ou grave ameaça’.”

Para Marcos do Val, este acordo deve trazer dois benefícios:

“A proposta certamente contribuirá para desafogar a justiça criminal brasileira, retirando do seu âmbito de atuação processos de baixo e médio potencial ofensivo, bem como para esvaziar nosso já superlotado sistema carcerário. Outro ponto positivo da medida será evitar que criminosos primários e de baixa periculosidade sejam encarcerados juntamente com criminosos contumazes, sendo cooptados por organizações criminosas, saindo prisão mais perigosos do que quando nela ingressaram.”

Leia também:

Excludente de ilicitude a salvo no pacote anticrime do Senado

Relator no Senado mantém prisão em 2ª instância no pacote anticrime

"Os agiotas do líder": confira as informações exclusivas. LEIA AQUI

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

  1. JJose disse:

    RXN0b3UgdmVuZG8gdW1hIGx1eiBicmlsaGFudGUgbmEgcmVsYXRvcmlhIGRvIHBhY290ZSBhbnRpIGNyaW1lLCBwYXJhYulucyAgLiBUb2RvcyBzYWJlbW9zIHF1ZSBvcyBkZXB1dGFkb3MgZSBzZW5hZG9yZXMgcul1cyBmYXplbSBkZSB0dWRvIHBhcmEgYmxvcXVlYXIgYef1ZXMgY29udHJhIG8gY3JpbWUu

Ler comentários
  1. Massaaki disse:

    UXVhbmRvIHbjbyBhdGFjYXIgb3MgZXhjZXNzb3MgZGUgcmVjdXJzb3MgcGVybWl0aWRvcyBlIGEgcG9zc2liaWxpZGFkZSBkZSBwcmVzY3Jp5+NvIGRvcyBjcmltZXM/IEUgYSBxdWVzdONvIGRvIGZvcm8gcHJpdmlsZWdpYWRvPyBFIGEgZGEgc2VndW5kYSBpbnN04m5jaWE/

    1. TGVpIFBFQyBkb3MgUmVjdXJzb3MgZG8gcHJlc2lkZW50ZSBkbyBTVEYgZW0gMjAxMSAtIENlc2FyIFBlbHVzbyEgRW0gZHVhcyBsaW5oYXMgZWxlIHJlc29sdmUgOTAlIGRvcyByZWN1cnNvcyBlbSAzsCBlIDSwIGluc3RhbmNpYXMh

  2. wanderlei disse:

    TWVkaWRhIGludGVyZXNzYW50ZSBhIHNlciBhZG90YWRhLg==

  3. Chrisoula disse:

    TWVkaWRhIGFkZXF1YWRhLiAgQXBvaW8gbyAiUGxlYSBCYXJnYWluIiBkZSBNb3JvLiAg

  4. Michael disse:

    UGFyYWLpbnMgc2VuYWRvciBNYXJjb3MgZG8gVmFsIGUgc2VuYWRvcmVzIGRvIGJlbS4uLm8gcG92byBlc3RhcuEgY29tIHZvY+pzLiBDYW1wYW5oYSBkZSBtZW50aXJvc29zIG7jbyBlbGVnZSBtYWlzIG5pbmd16W0sIGFnb3JhIG91IGFnZSBjb25mb3JtZSBhIHZvbnRhZGUgZG8gcG92byBvdSBlc3ThIGZvcmEgZG8gam9nbw==

  5. Jorge disse:

    UXVlIGJvbSBxdWUgb3Mgc2VuYWRvcmVzIGVzdONvIHNlbmRvIG11aXRvIG1haXMgcmVzcG9uc+F2ZWlzIGRvIHF1ZSBvcyBkZXB1dGFkb3MgZSBwcmVzZXJ2YXJhbSB24XJpYXMgZGFzIPN0aW1hcyBtZWRpZGFzIGFudGljcmltZS4gQSBwcmlz428gZW0gc2VndW5kYSBpbnN04m5jaWEg6SBpbXByZXNjaW5k7XZlbC4=

  6. Indignado disse:

    UmVkdefjbyBkYSBwZW5hIHBlbGEgbWV0YWRlPz8/IFThIGRlIHNhY2FuYWdlbT8/IE8gY2FyYSB0ZW50YSBvIGdvbHBlIGUgc2UgbuNvIGRlciBjZXJ0byB0ZXLhIGEgcGVuYSByZWR1emlkYSBhIG1ldGFkZSBjb25mZXNzYW5kbyBvIGNyaW1lLi4uIE7jbyBk4SBwb2lzLCBhcyBwZW5hcyBq4SBz428gYnJhbmRhcyBkZW1haXMuLi4=

  7. Itacir disse:

    TWFyY29zIGRvIFZhbCBzdXJwcmVlbmRlIHBvc2l0aXZhbWVudGUu