Relator no Senado, sobre o perdão às igrejas: "A discussão já estava superada"

Relator no Senado, sobre o perdão às igrejas: “A discussão já estava superada”
Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O senador Rodrigo Cunha (PSDB), relator do projeto que garantiu o perdão às dívidas das igrejas com o Fisco, disse a O Antagonista que a medida “foi importante para evitar judicialização”.

Cunha não entende que a emenda, apresentada pelo deputado federal David Soares (DEM), filho do missionário R. R. Soares, tenha sido um jabuti, apesar de não guardar relação direta com o tema da proposta na qual foi incluída, que tratava do pagamento de precatórios em meio à pandemia da Covid-19.

“Eu não vejo dessa forma. Foi uma oportunidade de resolver também uma insegurança jurídica. A própria Receita tem situações divergentes sobre esse assunto. Foi importante para evitar a judicialização.”

Questionado sobre o fato de a proposta ter sido feita pelo filho de um dono de igreja, Cunha respondeu:

“O projeto passou pela Consultoria do Senado e não foi identificada nenhuma irregularidade. Houve discussões na Câmara e, no Senado, a discussão já estava superada. Foi uma aprovação tranquila. Essa situação se deu mais na Câmara.”

Jair Bolsonaro tem até o fim desta semana para sancionar a proposta, com ou sem vetos.

Leia mais: A 'proposta milionária' para votar com o governo.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 13 comentários
TOPO