Relator vota contra condenação de Salles por improbidade e julgamento é suspenso por vista

Relator vota contra condenação de Salles por improbidade e julgamento é suspenso por vista
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

A 1ª Câmara de Meio Ambiente do TJ de São Paulo começou a julgar recurso de Ricardo Salles contra uma condenação por improbidade administrativa por atos de 2016, quando ele era secretário de Meio Ambiente de São Paulo. O relator, desembargador Nogueira Diefenthäler, votou a favor do recurso e pelo trancamento da ação, mas o desembargador Marcelo Berthe pediu vista.

O caso deve ser retomado na sessão de 5 de novembro ou na de 3 de dezembro.

Salles foi condenado por irregularidades na edição do Plano de Manejo da Várzea do Rio Tietê, uma área de proteção ambiental. Em dezembro de 2018, o juiz Fausto José Martins Seabra decidiu que as mudanças autorizadas por Ricardo Salles no plano causaram prejuízos ao meio ambiente e não obedeceram as regras locais para beneficiar empresas interessadas em ocupar a área. A Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) também foi condenada.

De acordo com o processo, Ricardo Salles e a Fiesp alteraram mapas feitos pela USP e minuta do decreto do plano de manejo, e perseguiram funcionários da Fundação Florestal. O objetivo, segundo os promotores do caso era beneficiar companhias de mineração e membros da Fiesp.

No julgamento de hoje, o desembargador Diefenthäler disse que a interferência de Salles no caso se baseou em estudos técnicos e não houve improbidade.

Leia mais: Marco Aurélio e o caso André do Rap: confira os desdobramentos com informações exclusivas
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 10 comentários
TOPO