ACESSE

Renan Filho relatou proposta que criou o auxílio-mudança

Telegram

O decreto de 2014 que instituiu o tal auxílio-mudança (não confundir com auxílio-moradia) foi aprovado como item extrapauta em votação única e relâmpago no último dia de sessão daquele ano, 17 de dezembro.

Não houve discussão no plenário da Câmara.

O relator da proposta na Comissão de Finanças e Tributação foi o então deputado Renan Filho, filho de Renan Calheiros, então presidente do Congresso, que viria a assinar o decreto.

Sem qualquer argumentação, ele disse apenas naquela sessão: “Pela aprovação, senhor presidente”.

O presidente era Henrique Eduardo Alves, investigado pela Lava Jato e preso pela Polícia Federal na Operação Manus, no ano passado — atualmente aguarda julgamento em liberdade.

O mesmo foi dito pelo relator da proposta na Comissão de Constituição e Justiça, o deputado Nelson Marquezelli, aquele que, neste ano, foi alvo da Operação Registro Espúrio: “Pela aprovação, senhor presidente”.

Desde então, os 513 deputados e 81 senadores recebem um salário a mais — 33,7 mil reais — para “compensar as despesas com mudança e transporte” — no início e no término do mandato. O valor é pago mesmo para quem tem residência fixa em Brasília. Quem é reeleito ganha em dobro: um benefício referente ao término de um mandato e mais um referente ao início do outro mandato, ou seja, 67,4 mil reais.

A velha política foi ferida — mas não morreu. É hora de perguntar: quem pode vigiar os velhos políticos por VOCÊ? AQUI

Comentários

  • Juliana -

    Tinha que ser dos Calheiros.

  • interior -

    sem baboseiras também. Esse auxílio deve ser pago para quem é transferido de posto de trabalho. Na minha empresa pagam isso. O resto é querer vender notícia

  • Alan -

    A mídia em geral inclusive o antagonista fazem lobby pela reforma da previdência. Hiahuahuahua paguen seus otarios.

Ler 56 comentários