ACESSE

Reportagem sem-vergonha de ex-executiva da Abril culpa Veja que enfrentou a Orcrim pela decadência da editora

Telegram

Uma das centenas de ex-executivos da Abril que passaram anos ganhando gordos salários sem fazer nada de relevante publicou uma reportagem sobre a decadência da editora para a revista Piauí, cujo dono é herdeiro de um dos bancos credores da Abril.

A ex-executiva ouviu o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, notório antro petista-cutista.

Eles disseram que “parte da crise é global e impactou a imprensa do mundo inteiro. Outra parte deve-se ao fato de a Abril ter perdido o contato com a pluralidade de opiniões e se afastado da diversidade que caracteriza população brasileira”.

A ex-executiva da Abril também ouviu de um ex-diretor da “Superinteressante” o seguinte: “A editora esqueceu de que precisava falar com todo mundo. Embarcou na canoa furada de ter um projeto político e usar suas capas para fazer campanha de ataque a reputações. A ironia é que, quando percebeu e tentou mudar de rumo, foi vítima de suas próprias  criações (…) A direita irracional, cultivada pela Veja, passou a acusá-la de petismo, e abandonou-o também”.

A Veja nunca teve tantos leitores como no anos em que enfrentou praticamente sozinha a organização criminosa comandada por Lula. A Veja nunca faturou tanto como nos anos em que enfrentou praticamente sozinha a organização criminosa comandada por Lula. A Abril, igualmente, nunca faturou tanto, embalada pela credibilidade da Veja.  Ao final, o julgamento do mensalão e a Lava Jato provaram que a revista acertou.

Culpar a Veja dessa época pela decadência da Abril é uma mentira descarada de petistas. É como se a revista estivesse errada quando vendia um milhão e duzentos mil exemplares e ganhava dinheiro — e certa quanto perdeu leitores e receita. A Veja da primeira década dos anos 2000 apenas não se rendeu à chantagem dos governos do PT, que em retaliação à independência da revista retiraram a propaganda governamental de todas as publicações da editora, o que chateou vários dos então executivos da Abril que viviam às custas da Veja — mas que perderam a boquinha estatal suplementar que lhes ajudava a mascarar a própria incompetência editorial.

A ex-executiva da Abril que viveu às custas da Veja e o ex-diretor da Superinteressante que viveu às custas da Veja deveriam ter vergonha da sua desonestidade. Mas essa gente não sabe o que é ter vergonha.

Nem vale citar o nome deles. O que importa é mostrar a falsidade da narrativa.

 

 

Temos uma chance única de começar a limpeza do Judiciário. LEIA AQUI

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 262 comentários