Responsável pelo coronavoucher no Ministério da Cidadania é cotado para presidir Banco do Brasil

Responsável pelo coronavoucher no Ministério da Cidadania é cotado para presidir Banco do Brasil
Foto: Fernando Bizerra/Agência Senado

Ganha força para substituir André Brandão no comando do Banco do Brasil o nome de Antônio José Barreto Júnior, secretário-executivo do Ministério da Cidadania. Ele é o responsável por operacionalizar o coronavoucher.

Engenheiro mecatrônico, com MBA em Gestão Empresarial e pós-graduado em marketing, Barreto é servidor de carreira do BB desde 1998, onde ocupou gerências de governo no Rio e em São Paulo.

Ele também já passou por seis ministérios.

O seu currículo diz:

“Em 2019/2020 compôs a equipe da Secretaria Executiva da Casa Civil, sendo assessor especial, diretor de Governança e secretário executivo interino. Ainda na Casa Civil foi o líder da Subchefia de Articulação e Monitoramento, monitorando e priorizando o conjunto dos principais projetos do Governo Federal, sendo o responsável dentro da pasta, entre outras ações, pela Operação Acolhida, reconhecida como a melhor operação de acolhimento de refugiados do mundo. Na Casa Civil também atuou tecnicamente na avaliação do mérito dos atos normativos do Governo Federal, à frente da Subchefia de Análise e Acompanhamento de Políticas Governamentais. No Ministério da Cidadania é responsável pela operacionalização de programas, com destaque para o Auxílio Emergencial, ação do governo brasileiro para reduzir os impactos da Covid-19 que alcançou mais da metade da população brasileira.”

Lembrando que o TCU descobriu pagamentos irregulares do auxílio emergencial que somam mais de R$ 54 bilhões, o que está motivando a abertura de uma CPI do Coronavoucher.

Outro nome na disputa é o do presidente do BRB, Paulo Henrique Costa, apoiado pelo governador Ibaneis Rocha e pelo senador Ciro Nogueira.

Um terceiro candidato seria João Pinto Rabelo Júnior, que é de carreira do BB e hoje ocupa a Vice-Presidência de Governo. A nomeação de um nome mais técnico abriria a vaga desejada por Arthur Lira, como O Antagonista mostrou dias atrás. Ele tem o apoio de Esteves Colnago, assessor de Paulo Guedes.

André Brandão colocou o cargo à disposição. Como mostramos mais cedo, está cansado da politicagem de Brasília.

Leia mais: Assine a Crusoé, a revista que não tem medo de apontar os verdadeiros culpados pelas mazelas brasileiras.
Mais notícias
TOPO