Revelada pelo Antagonista, holding dos Bertin fez depósitos suspeitos

Outro empréstimo do BNDES cercado de mistério foi feito com a empresa São Fernando Energia I, de José Carlos Bumlai, no valor total de R$ 101,5 milhões. O dinheiro saiu em 23 de julho de 2012, quando a empresa tinha apenas 7 funcionários e iniciava sua atividade operacional.

Chamou a atenção do Ministério Público Federal o fato de que a São Fernando Energia I teve entre seu sócios, até o final de 2011, a Heber Participações, controlada por Natalino Bertin e Silmar Bertin.

O Antagonista revelou aqui a existência da Heber, que atuou como avalista do empréstimo de R$ 350 milhões obtido por Bumlai junto ao BNDES e integrou em sociedade o grupo JBS.

Ocorre que o MPF descobriu que, entre janeiro e novembro de 2011, a Heber depositou R$ 24 milhões na conta de Nelson Luiz Belotti dos Santos, que figura na Lava Jato como um dos depositantes de valores expressivos na conta da CSA Project Finance, usada por José Janene e Alberto Yousseff para receber propina de contratos da Petrobras.

Vejam os depósitos feitos por Belotti na conta da CSA:

– depósito recebido de R$ 232.705,00 pela CSA Project de Nelson Luiz Belotti, Banco Bradesco, seguido de saques na boca do caixa de R$ 7.500,00, R$ 20.000,00, R$ 22.500,00, R$ 80.000,00, R$ 40.000,00, R$ 50.000,00 e R$ 10.000,00

– depósitos recebidos de R$ 155.136,67 pela CSA Project de Nelson Luiz Belotti, Banco Bradesco, seguido de diversos cheques pagos no caixa da agência

– depósito recebido de R$ 80.136,67 pela CSA Project de Nelson Luiz Belotti, Banco Bradesco, seguido de cheque compensado internamente de R$ 34.000,00 e cheque pago caixa de R$ 45.000,00

– depósito recebido de R$ 77.450,00 pela CSA Project de Nelso Luiz Belotti, Banco Bradesco, seguido de cheque pago caixa de R$ 77.000,00

-depósitos recebidos de R$ 500.000,00, R$ 500.000,00 e R$ 43.473,56 pela CSA de Nelson Luiz Belotti e seguidos de diversos cheques sem identificação do destinatário

Faça o primeiro comentário