Revolução Francesa, não

Hoje, no seu pronunciamento da “centelha divina”, Michel Temer também disse o seguinte:

“O que mais precisamos é recuperar conceitos do século XVIII, contraditório, ampla defesa, seriedade nas falas e manifestações. Isso vem lá da Revolução Francesa, Inglesa, dos países capazes de criar concepção do estado democrático de direito. Não é apenas uma palavra, deve ser uma realidade.”

Para quem pode perder a cabeça, não é recomendável citar a Revolução Francesa.

Faça o primeiro comentário