Ricardo Pessoa na CPI da Petrobras: sim, sim, sim

Vamos recapitular, neste final de sabadão, os principais pontos da reportagem da Veja sobre Ricardo Pessoa, o dono da empreiteira que está pronto a explodir. São eles:

a) O ministro ocupador da pasta da Justiça, José Eduardo Cardozo, foi pego na mentira. Não foi o advogado da UTC a procurá-lo, e sim ele a procurar o advogado da UTC, com quem manteve reunião secreta para implorar que Ricardo Pessoa não entregasse Lula e Dilma em delação premiada. O assunto foi a Lava Jato, ao contrário do que o ministro havia afirmado. Agora, José Eduardo Cardozo diz que vai processar os interlocutores de Ricardo Pessoa. Vai nada…

b) Ricardo Pessoa deu 30 milhões de reais a campanhas do PT no ano passado, inclusive a de Dilma Rousseff, que recebeu um terço do total. O dinheiro veio de contratos superfaturados da Petrobras

c) As campanha de Jaques Wagner e Rui Costa ao governo da Bahia foram igualmente financiadas com dinheiro sujo da estatal

d) José Dirceu recebeu 2,3 milhões de reais de dinheiro do Petrolão, em 2011, a pedido de João Vaccari Neto. A grana foi repassada por meio de contratos simulados de consultoria

e)) Lula não pode mais fingir que nada tem a ver com a lambança. Ricardo Pessoa, amigo seu até ir preso, afirma que o esquema de corrupção na Petrobras começou em 2003, sob o comando de Delúbio Soares, sucedido depois do mensalão por João Vaccari Neto

Diante dessas revelações (imagine-se o que Ricardo Pessoa tem ainda a contar, se esse foi só um recado), a oposição quer convocar o empreiteiro para depor na CPI da Petrobras. O melhor resumo é do deputado José Carlos Aleluia, do DEM: “Quem com porcos se mistura farelo come. E Lula criou um chiqueiro na Petrobras. Por isso, não tem cabimento estarem soltos o ex-diretor Renato Duque, o tesoureiro João Vaccari Neto e o próprio Lula. Eles estão atrapalhando a investigação.”

Lula, segundo o deputado Aleluia