Roberto Gonçalves e a compra do bloco em Benin

O mais recente alvo da Lava Jato, o ex-gerente da Petrobras Roberto Gonçalves, pode ser útil para ajudar a esclarecer uma operação ainda investigada: a compra do bloco de exploração de petróleo em Benin — que, segundo o MPF, gerou propina para Eduardo Cunha, por intermédio do lobista João Henriques.

Na ocasião, Gonçalves era gerente executivo da área Internacional, comandada por Jorge Zelada.

A compra de 50% do bloco de Benin, no entanto, é coisa pequena (a Petrobras pagou US$ 34 milhões) perto dos contratos bilionários que Gonçalves fechou como substituto de Pedro Barusco, e respondendo a Duque, na diretoria de Serviços.

Faça o primeiro comentário