Roberto Pozzobon: “Verifica-se que a corrupção é intergeracional”

Na coletiva para falar sobre a operação de hoje que prendeu Roberto Gonçalves, Roberto Pozzobon definiu o que se passava na Petrobras como “corrupção intergeracional”, como mostramos aqui.

Leia exatamente o que o procurador disse:

“Passados três anos de Operação Lava-Jato, diversas colaborações celebradas e documentos coletados, verifica-se que a corrupção é intergeracional, ela passa de geração em geração, infelizmente de pai para filho. Hoje vivemos uma verdadeira herança da propina. Quando Pedro Barusco, que ocupava a diretoria de Engenharia, saiu, foi sucedido por Roberto Gonçalves. Na sucessão do cargo também se passou o bastão da propina.”