Rosa Weber 'desligou' supercomputadores que somavam os votos nos TREs e não criou plano de contingência

Rosa Weber desligou supercomputadores que somavam os votos nos TREs e não criou plano de contingência
Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

A decisão de centralizar a totalização de votos no TSE foi tomada na gestão de Rosa Weber, antecessora de Luís Roberto Barroso na Presidência do tribunal. Antes, a soma dos votos era feita por 27 supercomputadores nos TREs, com outras 27 máquinas de backup para emergências.

Rosa avaliou que o custo para manter o sistema era alto demais e não renovou os contratos. O Antagonista solicitou dados oficiais do TSE sobre os custos e também quais avaliações foram usadas pela ministra para tomar sua decisão.

Como justificou há pouco Barroso, a demora inédita na soma e divulgação dos votos pelo TSE decorre da sobrecarga de dados. A mudança de procedimento foi feita sem o planejamento de um sistema de contingência para emergências do gênero.

A trapalhada já dá margem para que digam que houve fraude e se peça a volta do voto impresso.

Leia mais: As revelações feitas pelo Antagonista e pela Crusoé são inúmeras.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 119 comentários
TOPO