Saída pelo Supremo

Em seu blog no G1, Andréia Sadi diz que a “saída pelo Supremo” da portaria sobre trabalho escravo era o que o Planalto queria às vésperas da votação da segunda denúncia.

Michel Temer jogou a responsabilidade sobre a portaria para o Ministério do Trabalho, afirma a repórter. Mas mexer nela agora desagradaria aos aliados ruralistas. O fato de Rosa Weber ter agido tirou esse peso das costas do governo.

 

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 12 comentários
  1. Então não tem mais “E agora, José?”
    Os ruralistas não vão punir Temer por causa da Rosa Weber?
    A votação da denúncia não está terrivelmente ameaçada?
    Aaaaaaahhhhhhh….

  2. Andrea Sadi faz a típica leitura Globo News dos fatos. Não houve isso porcaria nenhuma. A intenção do governo era sustentar a portaria, que aliás está correta. Se perguntarem para a Rosa Weber qual é a regra constitucional que a Portaria deixou de observar, ela não saberá responder. Dirá, certamente, que sua decisão decorre da gritaria do MPT e dos fiscais do trabalho. Aliás, há sim retrocesso de direitos , mas não em relação aos trabalhadores. Há retrocesso na liberdade irresponsável que estes fiscais tem para emitirem seus autos, e nas consequências que eles trazem para empresas, sejam rurais ou urbanas.

    1. Regra básica de Direito: norma de grau inferior não pode revogar ou alterar definição dada por norma de grau superior. Princípio da legalidade. Vedação do retrocesso social. Aceita que dói menos.

  3. Pois é e prá garantir que não foi “coincidência”e que não foi tudo acertado nas penumbras dos gabinetes, adivinhem a origem da Rosa ??? Depois querem que acreditemos na isenção dos supremecos…