Salles tira da Comissão de Ética servidor que denunciou inoperância da Comissão de Ética

Salles tira da Comissão de Ética servidor que denunciou inoperância da Comissão de Ética
O Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, fala à imprensa, após reunião com os integrantes do Centro de Operações

O ministro Ricardo Salles tirou da Comissão de Ética o servidor Marcelo Grossi, que denunciou ao governo que o ministro não deixava a Comissão de Ética funcionar.

Em 30 de junho, Marcelo Grossi enviou ofícios à CGU, ao TCU e à Comissão de Ética da Presidência. No texto, Grossi apontou que a Comissão de Ética do Ministério do Meio Ambiente estava apenas com dois suplentes. Porém, a comissão precisa de três titulares e seus respectivos suplentes para operar.

Grossi escreveu que uma nova composição foi definida em abril deste ano, mas Salles ainda não havia assinado. Na prática, impedindo a comissão de trabalhar.

Apenas nesta segunda-feira (13), em edição extra do DOU, Salles publicou portaria com a nova composição da Comissão de Ética.

Marcelo Grossi, que era secretário-executivo do grupo desde setembro de 2018, ficou de fora.

Segundo o Estadão publicou hoje, a escolha dos nomes desconsiderou um processo seletivo interno no ministério, conduzido entre novembro de 2019 e março deste ano para escolher os integrantes da Comissão.

Leia mais: Comprovação do elo entre a Presidência da República e o gabinete do ódio complica Bolsonaro. Clique e leia
Mais notícias
TOPO