Saudades da Lei de Imprensa

A Lei de Imprensa, da ditadura militar, era sempre tratada como “famigerada” por gente como o senador Aloysio Nunes Ferreira — hoje em sintonia fina com Roberto Requião e Dilma Rousseff na execução sumária da liberdade de imprensa através do “direito de resposta”.

Que saudades da “famigerada”! Vejam como ela tratava a liberdade de expressão e opinião: “(não constitui abuso) no exercício da liberdade de manifestação do pensamento e de informação a opinião desfavorável da crítica, literária, artística, científica ou desportiva, salvo quando inequívoca a intenção de injuriar ou difamar”.

Hoje, sob o PT, com a bênção do PMDB e PSDB, tudo é abuso.

Faça o primeiro comentário