“Se ele tivesse área de um campo de futebol, pousaria”

Um dos maiores especialistas em acidentes aéreos com helicóptero do país, o engenheiro João Américo de Miranda disse a O Antagonista que, caso tenha ocorrido uma pane no motor da aeronave que levava Ricardo Boechat, teria sido possível pousá-la num procedimento de emergência, se houvesse uma área plana.

“Se há uma falha de motor, o piloto é treinado para fazer procedimento de autorrotação e consegue fazer o pouso numa área que tenha espaço, como um campo de futebol”, disse o engenheiro, ressalvando que só a investigação da Aeronáutica poderá identificar se houve mesmo falha no motor ou foi outra a causa do acidente.

Nesse procedimento, as pás das hélices continuam girando por inércia e em passo mínimo para possibilitar que o helicóptero desça planando. Para isso, é necessária uma área de pouso ampla.

Se houve a falha de motor no caso de Boechat, é possível que o fogo tenha ocorrido no momento do impacto com o caminhão, pelo rompimento do tanque de combustível, por exemplo.

Outra hipótese a ser considerada na investigação, segundo João Américo, é a possibilidade de uma colisão do helicóptero com um pássaro ou um drone.

Existem “forças subterrâneas” dentro do Congresso que impedem que projetos importantes vão a voto. Acompanhe aqui!

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 30 comentários
  1. um amigo piloto conversou com o piloto da aeronave 20 minutos antes da queda, está transtornado e disse que esse modelo já teve 20 acidentes nos últimos 10 anos. quem eu ouvirei pela manhã agora?

    1. Adoram culpar o Campo de Marte pela localização mas o problema é a formação dos pilotos. Com a crise há mais piloto que voos, muitos estão no Uber, outros se oferecem a preço de banana, muitas

    1. João Américo de Miranda é dono da melhor empresa de manutenção de helicópteros deste pais. Qual seu curriculo para criticá-lo?