Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Se o plano de Kassab der certo, Pacheco será lançado ao Planalto, mas não agora

O presidente do PSD não esconde mais o desejo de ver o senador como candidato à Presidência da República no ano que vem pelo seu partido
Se o plano de Kassab der certo, Pacheco será lançado ao Planalto, mas não agora
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, acaba de divulgar uma nota para negar que seja pré-candidato ao Palácio do Planalto.

“Não discutirei agora o processo eleitoral de 2022. Meu compromisso é com a estabilidade do país, e isso exige foco nos muitos problemas que ainda temos em 2021”, diz a nota.

Foi exatamente a mesma coisa que o senador, que atualmente preside o DEM em Minas Gerais, disse ao Papo Antagonista na última sexta-feira (9), quando questionado sobre essa possibilidade: assista aqui.

Pacheco negou publicamente a reportagem, mas ele e o presidente do PSD, Gilberto Kassab, idealizador e entusiasta da candidatura do senador, não devem ter achado ruim o UOL ter cravado a eventual candidatura.

Como temos noticiado, o plano de Kassab é este mesmo: ter Pacheco como candidato da chamada terceira via pelo PSD. Enquanto a turma do “centro” se reúne e fala em candidatura única mais para frente, o presidente do PSD vai tentando, sem muito alarde, montar palanques estaduais (incluindo Geraldo Alckmin em São Paulo), já partindo do princípio de que Pacheco é presidenciável.

Na semana passada, como registramos, algumas senadoras aproveitaram um encontro com Pacheco, na residência oficial do presidente do Senado, para dizer a ele que gostavam da ideia de ele se lançar candidato ao Planalto. Pacheco desconversou, mas não negou a intenção.

Senador de primeiro mandato, o mineiro está sendo estimulado a ir “se soltando aos poucos”. Se for realmente candidato à Presidência e não ganhar, Pacheco poderá voltar ao Senado para mais quatro anos.

O Antagonista apurou que ele tem sido aconselhado a, na medida do possível, sem escancarar que está em campanha, começar a viajar pelo Brasil como presidente do Congresso Nacional, visitando parlamentares e participando de eventos públicos que tenham alguma relação com o cargo que hoje ocupa.

O pronunciamento da última sexta-feira (9), no qual Pacheco disse, do jeito dele, que defensores de ruptura institucional são “inimigos da nação”, foi muito elogiado internamente pelos pares.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO