Sem cortar na carne

O texto da renegociação aprovado pela Câmara, há pouco, é uma versão desidratada do original. Basicamente, garante o direito de os Estados renegociarem suas dívidas com a União, sem cortar na carne.

Ficaram de fora, por exemplo, o aumento da contribuição previdenciária dos servidores estaduais; e dispositivos para reduzir a máquina pública, como a que permitiria à União requisitar ativos dos Estados para privatizá-los.

Faça o primeiro comentário