Sem disfarce

Parte da estratégia de Cunha para se safar passa por pressionar o Conselho de Ética da Câmara. Essa pressão já fez a primeira vítima. Quinze dias após declarar-se a favor da renúncia do presidente da casa, Wladimir Costa disse a O Globo que renunciará à sua vaga no conselho.

Costa pertence ao Solidariedade, de Paulinho da Força, um dos mais fiéis aliados do presidente da Câmara. Com o poder para indicar o novo titular, Paulinho nem se preocupa em disfarçar as intenções: “O escolhido tem que ser alguém que defenda e vote com o Cunha”.

Essa é a ética do Conselho de Ética.

Faça o primeiro comentário