Sem Orçamento, governo pode ter shutdown ou recursos mais limitados

Sem Orçamento, governo pode ter shutdown ou recursos mais limitados
Foto: Adriano Machado/Crusoé

O Planalto não quer se meter na confusão sobre a Comissão Mista de Orçamento (CMO).

A avaliação, segundo assessores palacianos, é que qualquer posicionamento do governo será prejudicial, porque é a própria base governista que está dividida. Se o presidente assumir um lado, o outro ficará prejudicado.

Uma saída pensada no Planalto é levar direto ao plenário a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e da Lei Orçamentária Anual (LOA). Mas há riscos inerentes a essa escolha.

O artigo 166 da Constituição, por exemplo, define que as emendas às leis orçamentárias devem ser apresentadas na CMO. Sem a comissão, qualquer alteração na lei sugerida por um parlamentar poderá ser judicializada.

Outro problema é o tempo. No ano passado, o Congresso aprovou a LDO em 9 de outubro e a LOA em 17 de dezembro. Agora, estamos em 19 de novembro e ainda há incerteza sobre a instalação da Comissão de Orçamento.

Como mostramos, a cúpula do Ministério da Economia avalia o risco de virar o ano sem aprovar o Orçamento de 2021. Há dois cenários possíveis caso o texto não seja analisado.

  • Se o Congresso não aprovar a LDO, que é a lei que define as metas e prioridades para 2021, o governo entra em “shutdown”. Na prática, o Executivo não poderia gastar um real sequer a partir de 1º de janeiro. Essa situação nunca aconteceu no Brasil.
  • O segundo cenário considera a aprovação da LDO, mas não da LOA, que é o Orçamento propriamente dito. Neste caso, o governo ficaria liberado a gastar, por mês, um doze avos do valor total estipulado pela LDO.
O Antagonista apurou que Jair Bolsonaro ainda deseja aprovar neste ano o Renda Brasil –uma espécie de Bolsa Família turbinado. O novo programa social estará dentro da PEC Emergencial, relatada pelo senador Márcio Bittar.

A ideia é avançar com a proposta após o segundo turno das eleições, em 29 de novembro. O Planalto deseja aprovar a PEC Emergencial antes do Orçamento, para que as mudanças promovidas na proposta sejam incorporadas na lei orçamentária.

O Congresso entra em recesso no dia 22 de dezembro, e restará um mês para as pautas orçamentárias. Apesar do cenário, os líderes estão mais preocupados com a sucessão de Rodrigo Maia na presidência da Câmara.

 

Leia mais: A revista que fiscaliza TODOS os poderes e conta com os melhores colunistas do Brasil.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 8 comentários
TOPO