Sempre teremos Paris?

Em uma época não muito distante, João Santana e a mulher (e sócia) Mônica Moura achavam que Dilma terminaria o mandato, que Lula voltaria ao poder em 2018 e que os dois sempre teriam Paris para comemorar as vitórias.

Mas isso foi antes que o casal virasse alvo da Lava Jato por suspeita de receber pagamentos do petrolão no exterior.

Faça o primeiro comentário