Senador eleito quer barrar réus nas eleições do Senado

O senador eleito Eduardo Girão (PROS-CE) pediu ao Supremo para barrar a candidatura de réus à presidência do Senado.

A intenção é legítima, mas o problema é que atualmente nenhum dos pré-candidatos colocados — Renan Calheiros, Davi Alcolumbre, Tasso Jereissati, Espiridião Amim, Simone Tebet, Major Olímpio e Alvaro Dias — responde a ação penal no STF como réu.

Apesar de investigado e denunciado na Lava Jato, Renan Calheiros deixou de ser réu no ano passado, quando foi absolvido num processo por desvio de dinheiro público.

O STF também já decidiu que réus podem ser presidentes do Senado ou da Câmara, só não podem ficar na linha sucessória da Presidência da República.

O que o brasileiro quer de Jair Bolsonaro? Leia aqui

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 39 comentários
  1. Conheci uma época que nenhum pessoa com processos podiam ocupar cargos públicos. Era um tempo sério. Hoje fazem todo desmantelo e estão à frente! Com uma única intensão se proteger dos erros pr

  2. Se os Senadores votarem num reu para presidente da casa estarão virando as costas à nação e pavimentando o asfalto para o jipe passar..Ops.. depois de passar primeiro no STF..o povo tá fulo ….

  3. #RenanCalheiros Não. Bora fazer uma toada no Senado para os novos e senadores reeleitos. O Brasil quer transparência e um Pres. do Senado que Não seja REU nem responda a trocentos processos.

  4. Renan Calheiros é réu em denuncia apresentada pela PGR em ação da Lava Jato. O STF em sessão plenária decidiu tornar Renan Calheiros RÉU por peculato no caso Mônica Veloso. #RenanCalheirosNÃO

  5. Essa decisão é louvável por parte do senador, mas se os senadores não tomarem consciência de seu papel institucional e patriótico nunca sairemos desse lamaçal. É como chover no molhado!

    1. Só para substanciar seu comentário, Renan Calheiros foi líder do governo na Câmara, quando Fernando Collor foi presidente da República. A que ponto chegou a esquerda brasileira…