Senador questiona CPMI das Fake News: "Trata-se de objetos abstratos, incertos, indeterminados"

Telegram

O senador Eduardo Gomes, do MDB de Tocantins, apresentou um requerimento pedindo ao presidente do Congresso, Davi Alcolumbre, que esclareça os fatos a serem investigados pela CPMI das Fake News, instalada nesta semana.

No documento, Gomes — que é o segundo-secretário da Mesa Diretora do Senado — defende que sem a restrição do objeto de apuração da CPMI a fatos determinados, claramente especificados e bem definidos, a própria instalação da comissão fica inviabilizada.

“Ainda que se admita a possibilidade de a CPMI investigar múltiplos fatos, cada um deles deve ser claramente determinado, bem individualizado. Contudo, no caso do mencionado requerimento, os objetos indicados não são suficientemente definidos para caracterizar ‘fatos determinados’. Trata-se de objetos abstratos, incertos, indeterminados”, diz trecho do requerimento, cuja íntegra você pode conferir clicando AQUI.

 

 

 

 

 

Leia também:

“Quando ocorreram esses ataques? Quais foram, efetivamente, as pessoas ou instituições atacadas?”

“Não é possível criar uma CPMI de forma aberta para investigar todos os supostos ataques a agentes públicos, ocorridos a qualquer tempo”

Comentários

  • Marcus -

    Senador Eduardo campos, tem toda razão, inexistem as condições básicas para a criação dessa cpmi do fake news. enquanto sobram razões para a da lava toga e alcalumbre sabota essa iniciativa pop

  • Luis -

    Não entendí. Para a CPI da lavatoga era becessario haver objetivo definido. E na das fake news? Não?

  • Mauro.SP -

    Alcool Insalubre nao chega ao segundo ano a frente do Senado. Cai assim que as principais reformas forem aprovadas.

Ler 12 comentários