Silêncio “humanizado”

Até agora, a Umanizzare “não quis” dar qualquer esclarecimento sobre o que ocorreu no presídio Anísio Jobim, administrado pela empresa, que tem um contrato milionário com o governo do Amazonas.

Faça o primeiro comentário