Silva e Luna não tem currículo para assumir Petrobras

Silva e Luna não tem currículo para assumir Petrobras
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Assembleia Geral Extraordinária (AGE) da Petrobras que vai referendar a indicação de Joaquim Silva e Luna para o comando da estatal está emperrada em razão do currículo do general, diz o Estadão.

Para assumir a diretoria executiva, o candidato precisa ter dez anos de experiência no setor ou dez anos em cargo semelhante numa empresa do mesmo porte.

Silva e Luna, contudo, nunca atuou no setor do petróleo e, neste mês, ele acabou de completar dois anos à frente da Itaipu Binacional.

Irany Tereza, colunista do jornal, lançou as perguntas certas sobre o imbróglio:

Como declarar apto o candidato do presidente ao principal cargo executivo da Petrobras sem infringir o regimento interno e a própria legislação das estatais, alterados na esteira do escândalo da Petrobras? Os membros do comitê se sujeitariam a responder pessoalmente pela infração? Como adequar o currículo de Silva e Luna – que em sua carreira civil já foi, inclusive, titular do Ministério da Defesa no governo Temer – às exigências técnicas para a presidência da Petrobras?

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO