Sindicato da Indústria da Construção Naval em estado sem navios

Temos repetido que o imposto sindical obrigatório precisa ser abolido.

Vamos a mais um motivo.

Em 2009, com Lula no Planalto, o deputado Sebastião Bala Rocha, então do PDT do Amapá – já condenado por improbidade administrativa e fraude em licitação -, conseguiu registro para sindicatos que, em tese, representariam setores da indústria do estado.

Carlos Lupi, à época ministro do Trabalho e amigão de Bala Rocha, deu fé dos pedidos.

Ocorre que a imprensa descobriu, poucos anos depois, que os presidentes dos “sindicatos” eram motoristas de uma cooperativa de veículos controlada por um aliado do parlamentar.

Uma das entidades que chegaram a ser criadas a partir daquela canetada de Lupi foi o tal do Sindicato das Indústrias da Construção e Reparação Naval. O tamanho da produção de navios no Amapá? Zero.