Só agora, Maia?

Só agora, Maia?
Foto: Adriano Machado/Crusoé

“Houve e há uma chance de ruptura institucional.” 

A frase é de Rodrigo Maia, em conversa com a Folha de S. Paulo. Ele só percebeu isso às vésperas da derrota de seu candidato para o de Jair Bolsonaro.

Ele disse também:

“A eleição da Câmara é um divisor de águas nesse assunto. Acho que o presidente da Câmara precisa ser alguém que não seja dependente do governo e que não deva sua eleição ao presidente da República. Com isso, o presidente se sentirá forte o suficiente para ampliar o conflito com as instituições democráticas, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal.”

Depois de garantir por um ano que os crimes de Jair Bolsonaro na epidemia ficariam impunes, Rodrigo Maia resolveu acordar. Tarde demais.

Leia mais: Enquanto dezenas de países do mundo já iniciaram a vacinação contra a Covid-19, o Brasil patina entre duas vacinas.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO