Sondas renderam US$ 6 milhões de pixulecos

Na reunião que selou o apoio do PMDB a Nestor Cerveró, ficou estabelecido o pagamento de US$ 4 milhões em propinas para as campanhas de Delcídio Amaral, Renan Calheiros e Jader Barbalho.

Segundo Fernando Baiano, o dinheiro deveria sair do contrato da sonda Petrobras 10.000 e depois haveria “um encontro de contas” na contratação de uma nova sonda, a Vitória 10.000.

Baiano disse que não queria ficar responsável pelo pagamento aos políticos e sugeriu o nome do operador Jorge Luz, que seria “muito próximo” de Renan e Barbalho. Houve uma nova reunião para acertar a participação de Luz e redefinir o valor da propina para US$ 6 milhões.