Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

STF pauta para dia 28 julgamento sobre prescrição para crime de injúria racial

O caso é específico de uma mulher de 79 anos, condenada a um ano de prisão em 2013 por agredir, com ofensas raciais, a frentista de um posto de gasolina
STF pauta para dia 28 julgamento sobre prescrição para crime de injúria racial
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para a sessão de 28 de outubro a retomada do julgamento que vai decidir se o crime de injúria racial pode ser equiparado ao de racismo e tornado imprescritível, ou seja, passível de punição a qualquer tempo.

Os ministros começaram a julgar o tema em dezembro do ano passado, mas o caso foi interrompido por um pedido de vista (mais tempo para analisar o caso) do ministro Alexandre de Moraes.

O caso específico é de uma mulher de 79 anos, condenada a um ano de prisão em 2013 por agredir, com ofensas de cunho racial, a frentista de um posto de gasolina. A defesa da mulher afirma que o crime prescreveu, ou seja, que o Estado não tem mais o direito de puni-la em razão da demora no processo.

O relator, ministro Edson Fachin, votou pela imprescritibilidade e afirmou que existe racismo no Brasil e classificou a prática como uma “chaga infame, que marca a interface entre o ontem e o amanhã”.

“Há um racismo estrutural que marca as relações e esses valores negativos e desumanizantes ditam a maneira de como estes sujeitos se apresentam no mundo e de como lhe são atribuídas desvantagens”, disse Fachin no voto.

O ministro Nunes Marques votou contra tornar a injúria racial imprescritível. Para o ministro, essa é uma competência do Legislativo. “A gravidade do delito não pode servir para que Poder Judiciário amplie hipóteses de imprescritibilidade prevista pelo legislador nem altere prazo previsto na lei penal”, afirmou.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO