Subprocurador aciona MP-SP para investigar cursinho que ensina tortura e porrada

Subprocurador aciona MP-SP para investigar cursinho que ensina tortura e porrada
Reprodução/YouTube

O subprocurador Carlos Vilhena pediu o Ministério Público de São Paulo para investigar os ex-policiais Evandro Guedes e Norberto Florindo, instrutores da AlfaCon, escola preparatória para concursos de polícia que chegou a receber uma propaganda de Jair Bolsonaro.

Em videoaulas que circularam nas redes neste ano, Evandro admite que deu “porrada em todo mundo: homens, mulheres, crianças, velhos e adolescentes”. Em outra classe, Norberto também diz que “quando eu entrava chacinando eu matava todo mundo: mãe, filho, bebê, foda-se!”.

Norberto também ensinava como torturar (“tortura é pontual, curto, direto e reto”) e a “socorrer” bandidos (“com esta mão, você vai tampar o nariz e, com esta, a boca”).

Para Vilhena, que é procurador federal dos direitos do cidadão, tratam-se de instruções para violar gravemente direitos humanos e configuram incitação ao crime e apologia de crime ou criminoso, cada um com pena de detenção, de três a seis meses, ou multa.

“A peculiaridade de os discursos terem sido proferidos no contexto de preparação de candidatos para concursos públicos voltados ao provimento de cargos e funções nas instituições policiais agrava o potencial de concretização das violações incitadas, em razão do comprovado aumento da letalidade policial em nosso país”, afirmou Vilhena no pedido enviado ao MP-SP.

Leia mais: A revista que fiscaliza TODOS os poderes e conta com os melhores colunistas do Brasil.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 22 comentários
TOPO