“Tamanha riqueza documental”

Na coletiva de imprensa, o procurador Carlos Fernando destacou que a força-tarefa nunca realizou uma operação, como a Acarajé, com “tamanha riqueza documental”.

Há emails, planilhas, recibos de transferências bancárias etc.