TCU: Aroldo Cedraz, sem “h” maiúsculo e sem limite

Não há limite para a sem-vergonhice no Brasil. Aroldo Cedraz, o ministro sem “h” maiúsculo que ainda preside o TCU, apesar de ter abençoado todas as traficâncias feitas pelo seu filho Tiago dentro do tribunal, deu palestra num congresso promovido pela Associação Brasileira de Agências Reguladoras. O tema “Os tribunais de contas diante dos desafios e competências das agências reguladoras”.

Lá pelas tantas, Aroldo Cedraz disse que a autonomia das agências reguladoras é “prejudicada sobretudo por deficiências no processo de indicação, nomeação e substituição dos respectivos dirigentes, mas também por questões relativas à estabilidade e à política para tratamento de conflitos de interesses”.

Ou seja, o pai de Tiago, o “Cabrito” que enriqueceu usando o seu Bode no TCU, um tribunal cujos ministros são políticos indicados por outros políticos, critica o processo de indicações (políticas) nas agências reguladoras e a falta de mecanismos eficientes para evitar conflitos de interesses — irregularidade que é uma das especialidades da família Cedraz.

Não há limite para a sem-vergonhice no Brasil, repita-se.

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200