TCU: falta de coragem ou cúmplices?

Depois de terem rejeitado as contas da presidente da República, pela primeira vez em 78 anos, de forma unânime, é inacreditável que os ministros do TCU não tenham coragem de dizer “não” a Aroldo Cedraz — um sujeito que deveria ser ejetado não apenas da presidência do tribunal, mas do próprio TCU.

Essa pouca vergonha faz pensar se não há ministros cúmplices do esquema que Tiago Cedraz, com o beneplácito do seu pai, armou dentro do tribunal. A conjectura é legítima.