Telegram diz que não há evidências de hacking

Telegram

O perfil oficial do Telegram no Twitter informou na rede que “não há evidências de qualquer hackeamento” no aplicativo no caso das mensagens divulgadas pelo Intercept.

Segundo a empresa, é provável que tenha ocorrido o uso de um malware (um programa nocivo) ou a falta de uso da verificação em duas etapas, que protege as mensagens de acesso por terceiros.

Moro é admirado em todo o Brasil, mas enfrenta resistência em Brasília. Leia aqui

Em outras palavras, o Telegram afirma que o hackeamento provavelmente foi no celular ou outro dispositivo de alguém, e não no aplicativo.

O blog de tecnologia Manual do Usuário sugere que alguém conseguiu acesso ao Telegram de Deltan Dallagnol, personagem comum de todas as conversas relatadas pelo Intercept. O invasor teria acessado o aplicativo por meio de um outro dispositivo e pode ter deixado rastros.

O Telegram permite exportar um extrato dos últimos endereços IP que tiveram acesso à conta.

Comentários

  • Erlon -

    Não importa quem hackeou, afinal, Sérgio Moro divulgou uma ligação de Dilma, grampeou mais de 25 advogados que defendeu Lula da Silva. A questão é, vamos fazer justiça, já que um homem inocent

  • João -

    Quanta besteira! Por interesses escusos ficam de quatro na soleira, para flagrar formigas, enquanto os elefantes pulam a janela com o produto do roubo. A Justiça brasileira continua piada...

  • Ozanir -

    Tudo indica que esse caso ainda vai dar muito pano para manga... tudo indica também, que vão achar o invasor criminoso. Muitos estão cortando agulha.

Ler 70 comentários