Temer contra a equipe econômica, Maia contra Temer

Lideranças do governo Michel Temer esvaziaram o plenário da Câmara durante votação da MP que permitia ao Banco Central fechar acordos de leniência com instituições financeiras.

O objetivo, escreve O Globo, era concentrar esforços na sessão da CCJ em que Bonifácio de Andrade leu seu parecer pela rejeição da segunda denúncia contra o presidente.

Com isso, a MP da leniência aos bancos –defendida pelo presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn– corre o risco de perder a validade. Ela vence no dia 19.

“Tem que ficar caracterizada a responsabilidade pela derrubada da MP. Todo esse trabalho feito pelo presidente do Banco Central [foi] desrespeitado pelo próprio governo”, disse Rodrigo Maia.

O presidente da Câmara afirmou ainda que não votará mais nenhuma MP enquanto não se mudar a Constituição para alterar a tramitação. “Já avisei ao presidente que MP que não tiver relevância e urgência será devolvida.”

 

 

 

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

  1. Ler mais 9 comentários
    1. A TLP não tinha urgência (deveriam era aprovar lei para que o BNDES devolvesse todos os aportes da União) nem relevância (o BNDES responde por parcela pequena do crédito direcionado, que se concentra em rural (BB) e habitacional (Caixa)). Mesmo assim, Rodrigo Maia suou para aprovar a MP e vibrou como se tivesse aprovado a reforma da Presidência. É mais um que joga pra plateia incauta enquanto o barco afunda.

    2. A infantilidade desse Maia é gritante, insuportável. Só aqui nesse site que acham que ele é alguém, que tem alguma relevância. E’ patético – tanto qt vcs. Sempre fazendo beicinho. Esquece q o cargo q ocupa foi dado por Temer. É um mane’ q acha q vai ser governador presidente Sei lá. Um coitado!

    3. Maia é todo fortão com Temer quando este está enrolado, e todo molóide com as esquerdas do congresso. CPI da UNE? Jantares com a turma da oposição, etc. Ele ainda fala em se reeleger e ter mais um mandato de presidente da câmara, titubeante desde jeito, vai cair para o baixo clero, junto com os Picianes.