Temer diz que Joesley protegeu “os grandes tentáculos” da Orcrim

Na queixa-crime por calúnia, injúria e difamação, a defesa de Michel Temer relata as acusações feitas por Joesley Batista na entrevista à Época e diz que “o mais esdrúxulo de todo esse enredo” é que o dono da JBS “passou a incorporar o papel de um empresário sério e indignado com a corrupção”.

“Em absoluta contradição, desconsidera e ‘esquece’ que foi a corrupção que o tornou um ‘grande’ empresário.” Na ação, ele descreve ainda a trajetória de “sucesso” do Grupo JBS sob a gestão Lula.

“Em 2005, o grupo JBS obteve seu primeiro financiamento no BNDES. Dois anos depois, alcançou um faturamento de R$ 4 bilhões. Em 2016, o faturamento das empresas da família Batista chegou a R$ 183 bilhões.”

E conclui com acusação indireta (e irônica) a Lula:

“Os reais parceiros de sua trajetória de pilhagem, os verdadeiros contatos de seu submundo, as conversas realmente comprometedoras com os sicários que o acompanhavam, os grandes tentáculos da organização criminosa que ele ajudou a forjar ficaram em segundo plano, estrategicamente protegidos.”

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200