Temer se defende

Michel Temer acusou o PT de “misturar as coisas” para tentar cassar seu mandato no TSE.

O Estadão perguntou-lhe sobre o cheque de 1 milhão de reais recebido da Andrade Gutierrez.

Ele respondeu, por meio de sua assessoria:

“Nenhum cheque da empresa Andrade Gutierrez foi depositado na campanha eleitoral de Michel Temer em 2014”.

O Estadão disse que o PT apresentou um cheque em nome de Michel Temer, destinado por Otávio Azevedo à sua campanha.

A assessoria de imprensa respondeu:

“No depoimento de Azevedo, há uma menção a R$ 1 milhão ao PT, em março, que é complemente diferente da doação feita ao PMDB, no valor de R$ 3 milhões. Foram desses R$ 3 milhões que houve repasse para a conta do então candidato a vice-presidente, como está registrado no TSE. A contribuição foi voluntária e seguiu a Lei Eleitoral”.

A reportagem citou então a defesa de Dilma Rousseff, segundo a qual Otávio Azevedo “afirmou falsamente” à Corte que o dinheiro foi destinado ao diretório nacional do PT.

A assessoria de Michel Temer respondeu:

“Há uma tentativa óbvia de misturar assuntos diferentes. Azevedo faz referência ao R$ 1 milhão para o PT no mês de março. O depósito na conta do PMDB aconteceu no dia 3 de julho de 2014, com valor de R$ 3 milhões. São datas e valores completamente distintos.”