"Todo mundo tem parente, amigo ou ente querido que estava metido em coisa errada"

“Todo mundo tem parente, amigo ou ente querido que estava metido em coisa errada”
Foto: Carlos Moura/SCO/STF

Luís Roberto Barroso, respondendo a uma pergunta de Luciano Huck durante um debate do RenovaBR, explicou o fim da Lava Jato e o triunfo da impunidade:

“O mensalão pela primeira vez condenou políticos e empresários por crimes como corrupção ativa, passiva, peculato e lavagem de dinheiro. Foi um marco da vida brasileira. Quando o processo extrapolou o PT e chegou a mais partidos, e é essa a verdade, a determinação arrefeceu. O problema é que no Brasil do andar de cima todo mundo tem parente, amigo ou ente querido que estava metido em coisa errada. Forma-se um arco de aliança que tem representantes em toda parte, da imprensa até onde menos se espera, e começa a trabalhar para desacreditar tudo.”

A análise de Luís Roberto Barroso realmente se aplica a “todo mundo”: do presidente da República aos seus colegas nos tribunais superiores.

Leia mais: Na edição especial do final deste 2020 tão desafiador, a revista tem a honra de publicar conteúdos de articulistas brilhantes e com atuação importante nas suas especialidades.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO