Todos os caminhos de TrateCov levam à cloroquina

Todos os caminhos de TrateCov levam à cloroquina
Divulgação/Ministério da Saúde

Uma análise do código fonte do TrateCov, que o Ministério da Saúde tirou do ar ontem, constata que o aplicativo “recomendava sempre os mesmos seis tratamentos para qualquer paciente”, não importando a combinação de sintomas informados ou de características da pessoa.

A informação é do Jota.

O aplicativo trazia um formulário com 52 campos de informações sobre o paciente para serem preenchidos por profissionais de saúde cadastrados. Uma vez preenchidos, o app deveria calcular a gravidade do estado de saúde, entre 0 e 92 pontos, recomendando a prescrição – combinada ou não- de hidroxicloroquina, cloroquina, ivermectina, azitromicina, doxiciclina e sulfato de zinco em 30mg ou 50mg.

Nenhum destes medicamentos tem eficácia comprovada contra a doença.

“O Jota analisou o código fonte do aplicativo e constatou que, de todas as informações do paciente, apenas 28 informações distribuídas em três seções do formulário podiam influenciar o escore do paciente. Todas as combinações levavam a indicação da prescrição dos mesmos seis tratamentos. Apenas com modulação para a quantidade de sulfato de zinco, que aparece com a opção de indicação de 30mg ou 50mg.”

O TrateCov, segundo informou o Ministério da Saúde, foi elaborado por quadros da própria pasta. No dia 13, Eduardo Pazuello anunciou a novidade com pompa. Depois da repercussão negativa, alegou que o sistema estava ainda em fase de testes e que teria sido invadido por um hacker.

 

Leia mais: Como o candidato Artur Lira já se movimenta para escapar da Justiça valendo-se da parceria com Bolsonaro.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO