Toffoli critica ‘espetacularização’ das coercitivas

Dias Toffoli, ao votar pela inconstitucionalidade das conduções coercitivas, se disse preocupado com a “espetacularização” do instrumento.

“É chegado o momento de a Suprema Corte zelar pela observância de limites legais para imposição da condução coercitiva, sem dar margem para adotar interpretações que atentem contra o direito fundamental de ir e vir, a garantia do contraditório da ampla defesa e a garantia da não auto-incriminação.”

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 15 comentários
  1. Espetáculo é um país em que quase toda (onde está Diógenes e sua lanterna para encontrar um honesto?) a classe política está roubando dinheiro público. Ser preso depois disso deveria ser somente consequência.

  2. Agora até os delegados deverão entrar no novo modelito de república bananeira café com leite:
    “Adote bandidos como PETs “…
    “Bandido precisa de carinho “…
    “Bandido é uma fofffuuuuraaa “…
    E os generais?
    Fazendo ginástica …
    Afinal … não moram neste país…

  3. Toffoli , Lewandovsky são exemplos de respeito irrestrito à Constituição, acreditamos.
    Deviam se envergonhar de tamanha irresponsabilidade, seria mais digno votar claramente pelos seus reais motivos, chocariam menos.
    Gilmar Mendes é uma aberração, impossível comentar.

  4. Sempre prenderam os meliantes e mostraram tudo.
    Agora começaram a prender os graúdos também e
    não pode mostrar nem fazer o que sempre se fez com
    os criminosos (dentro da lei).
    Querem passar a mão na cabeça dos políticos
    ladrões e dizer para eles ficarem bonzinhos quando
    forem pegos pela polícia (e sem algemas).
    E para isso, são os mesmos ministros do STF de sempre…

  5. É impressionante a preocupação de alguns ministros de STF com os direitos fundamentais da pessoa humana (rica e bandida). Pena que a pessoa humana (pobre e desinformada) não tenham a mesma atenção deles.