Toffoli defende inquérito das fake news e diz que ele investiga 'máquina de desinformação'

Toffoli defende inquérito das fake news e diz que ele investiga máquina de desinformação
Foto: Fellipe Sampaio SCO /STF

Dias Toffoli afirmou nesta terça (28) que o inquérito das fake news –usado para censurar Crusoé e O Antagonista no ano passado– não investiga críticas ao STF, mas sim uma “máquina de desinformação” que usa robôs e perfis falsos para desacreditar instituições democráticas.

“Não podemos normalizar, condescender e aceitar as fake news como um fenômeno inevitável. Não podemos aceitar isso como algo impossível de combater. Temos que ter instrumentos, regulação, responsabilidade do mercado a respeito desses temas”, declarou o presidente do Supremo, em seminário virtual organizado pelo site Poder360.

Toffoli defendeu ainda o que chamou de “aprofundar o debate sobre arcabouço normativo”, acrescentando que isso “compete ao Congresso, ouvindo toda a sociedade”.

E insistiu no argumento de que é necessário investigar práticas criminosas. “Usando aquela velha frase usada em Brasília – jabuti não sobre em árvore, ou foi enchente ou foi mão de gente. Se existe noticia falsa, é porque isso interessa a alguém.”

O Antagonista obviamente concorda com a necessidade de investigar práticas criminosas. Mas relembra: o inquérito das fake news é, na origem, inconstitucional.

Leia mais: Comprovação do elo entre a Presidência da República e o gabinete do ódio complica Bolsonaro. Clique e leia
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 49 comentários
TOPO