ACESSE

Toffoli: "Não cabe ao delatado impugnar acordo, mas cabe a ele a última palavra"

Telegram

Dias Toffoli também justificou a anulação de condenações por prazos comuns de alegações finais lembrando de um voto que proferiu em 2015.

A tese que propôs e que prevaleceu à época é de que delatados não podem contestar acordos de colaboração fechados por delatores.

Por outro lado, devem ter amplo direito de defesa para confrontar as acusações lançadas pelo colaborador. Daí a possibilidade de poder rebater também as alegações finais.

“Não cabe ao que foi delatado impugnar o acordo entre delator e Estado, porque ali é um meio de obtenção de provas. Consignei que não cabia a possibilidade de impugnar, mas que a ele [delatado] será assegurado, pelo contraditório, direito de confrontar as declarações do colaborador e as provas por ele obtidas. Não cabe ao delatado impugnar acordo, mas cabe a ele a última palavra.”

VEM AÍ A PAUTA EXPLOSIVA DO STF. Saiba mais

Comentários

  • Rafael -

    Realmente, um mestre da dialética!

  • Ilzi -

    Um legislador no Supremo, viva o poder ditatorial que se insurge contra a democracia. Antônio Amos, escreveu.

  • mara -

    Isso é lei? Seu Reprovado 2 x em concurso p Juiz!! Vc foi delatado 2 vezes pela Odebrecht e OAS. S A F A D O petista defendendo seus companheiros de militância

Ler 50 comentários