Toffoli nega devolução de malas antigrampo do Senado

Dias Toffoli negou um pedido apresentado pelo Senado no fim do ano passado para ter de volta equipamentos para identificar escutas ambientais e grampos telefônicos em gabinetes.

Apreendidas em 2016 na Operação Métis, as maletas antigrampo ainda estão no STF e foram pedidas para que a Polícia Legislativa pudesse fazer varreduras antes da posse de Jair Bolsonaro.

O Senado disse que a medida era essencial para a segurança do presidente, “notadamente para evitar a espionagem das informações de inteligência da Policia do Senado Federal e da organização da segurança para o dia da posse presidencial e também dos senadores eleitos”.

De plantão no STF, Dias Toffoli considerou que o pedido não era urgente e o encaminhou para que Edson Fachin, relator do caso, o analise após o recesso.

No dia 13 de fevereiro, o plenário vai julgar a validade da operação, que investiga policiais legislativos que estariam atrapalhando a Lava Jato.

Será que o novo presidente se dobrará à velha política? Entenda aqui

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 29 comentários
  1. Rabo do tofoki, Levando, Gilmar e Marcola esta preso no torno da corrupcao e pu.taria dentro do STF. A casa vai cair e vamos pega los na unha. Serao escalpelados pelo mal que fazem a nacao.

  2. È um tremendo FILHO DA PU.TA. Canalha. Estou torcendo pra 1o de abril o STF soltar 170 mil presos pelo lula. Militares ESTAO PRONTOS PRA FECHAR POR seguranca nacional aquele STF puteito. Tudo pront

  3. A PF perícia a Renan deve ter deixado vazar o que tem nas maletas e a suprema justiça tomou da PF impedindoo levantamento das provas. Isto nãoseria ocultação de provas? Foi isso que aconteceu? Ou